04/08/2011

THE WOMAN: A Sangrenta Fábula Feminista de Lucky Mackee.


Parem tudo !!! Sei que posso estar me adiantando, mas, o Melhor Filme de Horror de 2011 é: THE WOMAN: de Lucky Mackee. Os trabalhos anteriores desse jovem e corajoso Diretor, foram marcados pelo forte teor feminista e por sua adoração ao trabalho do Mestre italiano Dario Argento, o que fica claro no filme A FLORESTA, que tem citações explícitas de SUSPIRIA. Em THE WOMAN o que vemos é um mergulho radical no gênero feminino como universo gerador da transgressão, da abjeção e do horror, onde  surge uma mulher selvagem, que vive em uma floresta, sobrevivendo da caça, totalmente integrada com a natureza, como um ser puro, um ser integrado àquele ambiente ancestral, em uma metáfora da natureza como uma entidade feminina. Logo surge o contraponto masculino, um homem que descobre essa mulher enquanto está caçando. O primeiro contato visual surge através do visor de uma espingarda. Logo esse caçador “Civilizado irá aprisionar essa mulher telúrica no porão de sua casa, com a conivência da mulher e dos filhos. Aos poucos percebemos que o verdadeiro monstro da história é o patriarca dessa estranha família. Um dos vilões mais escrotos e filhos da puta dos últimos anos. Grandes sequências surgem como a da mordida, o banho cruel, a tortura. O som do filme é muito bem usado. Em uma cena o pai atira em direção a sua prisioneira só para assustá-la com o som do tiro que reverbera e nos incomoda muito, imagino que em uma sala de cinema esse impacto deve ser bem maior.


Aos poucos as máscaras daquela família que se julga tão civilizada começam a cair e seus esqueletos apodrecidos caem dos armários. A segunda metade do filme nos conduz a uma parte final de extrema brutalidade, quase um CANNIBAL HOLOCAUST, cruel e absolutamente sublime. Não tenho o hábito de contar finais de filmes, mas posso dizer que esse final é realmente perturbador, tão perturbador ou mais do que A SERBIAN FILM. Fiquei realmente muito impressionado com esse filme raro e ousado que não é indicado para aqueles que não tem intimidade com o Cinema Extremo. A trilha sonora é repleta de rock independente da melhor qualidade. Toda a hipocrisia, a repressão e o doentio desejo de poder que está enraizado na cultura da América Profunda, aparece muito bem trabalhado no filme. Não é por acaso que o filme se passa numa daquelas tranqüilas cidadezinhas caipiras dos EUA, onde monstros se escondem acima e abaixo superfície...
Comentário do William no final do filme: “Depois desse final não poderei ver carne crua por um bom tempo...”

10 comentários:

Anônimo disse...

Fiquei curioso! Deve mesmo ser um filmaço!

Marcelo Carrard disse...

Esse vale a pena, já tem em Torrents mas ainda sem legendas em português. É tão, ou mais polêmico q o A Serbian Film.

Ailton Monteiro disse...

Opa! Valeu pela dica, Carrard! Acompanhei o trabalho do McKee e gosto muito.

Marcelo Carrard disse...

Sim. Ele vem exercitando um estilo muito pessoal que eu gosto muito, desde MAY. Muito Obrigado pelo comentário.

Ivan Filho disse...

Alguém tem a legenda em pt-BR?

Marcelo Carrard disse...

Até o momento não achamos...

Arcade Fire disse...

eu acho que esse filme abre um leque de discussão social muito maior do que o serbian film, justamente pela metáfora da dominação em vários âmbitos, de sexismo a imperialismo. o filme servio é muito bem produzido, de qualquer forma e sofreu injustamente com o situacionismo criado em torno da temática abordada.
the woman é lindo, a trilha sonora é muito boa, a narrativa é muito bem construída (leia-se fiquei passado mas amei esse filme haha) e acho filme obrigatório pra que se desenvolvam discussões contemporâneas.
um beijo no seu coração bonito esse blog é ótimo!

VALDEIR VETERANO disse...

ACABEI DE VER O FILME AGORA , E ENDOSSO TD QUE FOI DITO PELO ADM DO BLOG . O FILME É TD ISSO E MUITO MAIS SIM !!!!!!
MARAVILHOSO , TINHA TEMPO QUE NÃO VIA UM FILME TÃO BOM QUANTO ESSE !!!!
RECOMENDO A TDS
( VALDEIR THEODORO 0

eli souza disse...

Oi pessoal
Descobri este filme em um outro blog em outubro, li a sinopse, vi o trailer e fiquei super curiosa!
Abaixei e assisti umas 5 vezes até agora! Sensacional!
A trilha sonora não sai dos meus aparelhos, agora mesmo estou ouvindo Distracted!
Gostei de todas as atuações, mas uma em particular me chamou a atenção: o menino Zach Rand na pele do maldito Brian Cleek! Me perdia naqueles olhos escuros com lampejos de maldade absoluta!
Ao pesquisar sobre o jovem ator, descobri que ele é um talentoso ator que volta e meia faz musicais na Broadway, tem um sorriso lindo e é mega simpático.
Mandei email, ele respondeu, enfim, me correspondo com ele no mínimo uma vez por semana!
O próximo filme dele é do Brian Keene, se chama GHOUL e estreia dia 13 de abril no Sci Fi americano. Tomara que caia na net pra gente baixar, pois é filme pra tv e eu não tenho tv a cabo!
Quanto ao Lucky, virei fã de carteirinha!

eli souza disse...

Ah, tem mais, entrevistas com os atores, diretor, produtor, escritor, roteirista, tapete vermelho, Sundance, curiosidades, tem até o vídeo do cara que se revoltou durante a exibição do filme em Sundance, me parece, não tenho certeza do lugar, mas que o cara fica mega revoltado, isso fica, hehe
Perguntaram à mãe do Zach Rand como ela permitiu que o filho fizesse parte deste projeto, ao que ela respondeu de maneira brilhante.
A Pollyanna é uma graça também, enfim, como já disse, amei tudo e super recomendo!
O Lucky disse que o Zach lembra o Al Pacino jovem. Tomara!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...