27/04/2011

ILSA THE TIGRESS OF SIBERIA: A Dama da Tortura ataca no melhor Filme da série.




Depois de surgir como carrasca nazista, reaparecer sem explicação como sádica chefe de um Harém no deserto, agora nossa querida ILSA é uma entusiasmada espiã e torturadora comunista que controla um campo de prisioneiros na Sibéria. O negócio é esquecer a lógica e se divertir nesse banquete exploitation de desdobramentos surpreendentes. Já no início vemos uma sequência genial onde um homem é empalado por uma espécie de lança que entra pela nuca e sai pela boca, a câmera filma essa ação e termina o plano com o rosto de Ilsa, trajada de peles de animais para suportar o frio intenso da Sibéria. Sequências antológicas se seguem: a transa de Ilsa com dois “ursos”  e a sangrenta sequência da queda de braço seguida de mutilação, cena cortada em algumas edições.


A rotina de sexo, nudez e tortura prossegue no tal campo de prisioneiros com choques elétricos e afogamentos na água super gelada até que um ataque acontece e o filme muda radicalmente. Vemos uma equipe de atletas da então União Soviética, reclamando da abstinência sexual durante as olimpíadas de Montreal. Para solucionar o problema acabam em um bordel e então os produtores conseguem inserir várias cenas de nudez e sexo, pois somente Ilsa estava dando conta do recado. Vemos então Ilsa como espiã, capturando um dos atletas que era um dissidente soviético. Sessões de reprogramação do subconsciente, ao estilo: Laranja Mecânica se misturam a trama com cores fortes. Em um desses momentos se ouve um trecho da trilha de Last House on Dead End Street de Vitor Janos. A sequência do homem enterrado da neve tenda a cabeça estraçalhada por uma máquina é simplesmente absurda e me lembrou uma cena similar de Calígula de Tinto Brass. Grandes momentos de ação marcam a parte final encerrada com uma metáfora da inutilidade do Capital de fazer Karl Marx sorrir...

3 comentários:

Ricardo Leitão disse...

Carrard, assisti apenas o SHE WOLF OF THE SS e o HAREM KEEPER OF THE OIL SHEIKS inteiros, mas já vi muita gente na net falando mal pra caramba desse TIGRESS OF SIBERIA, talvez porque não seja do Don Edmonds. Também tenho que ver o final daquele que o Jess Franco dirigiu, que chamam de ILSA, THE WICKED WARDEM mas que na verdade é GRETA, THE TORTURER, que até onde vi, estava perfeito, com Lina Romay roubando a cena e o escambau! Prefiro confiar no seu julgamento e colocar TIGRESS na minha lista de filmes para essa semana! Abraço!

Ronald Perrone disse...

Eu ainda prefiro o primeiro da série, mas este aqui também é sensacional mesmo!

M.Carrard disse...

Os 3 filmes tem uma regularidade em termos de qualidade. Esse terceiro é de um Diretor q não conheço. Obrigado pelos comentários.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...