29/03/2011

BABY BLOOD, um Clássico esquecido do Cinema de Horror Francês.



A França vem oferecendo ótimos filmes de Horror nos últimos anos: MARTYRS, ILS, A INVASORA, ALTA TENSÃO, são alguns exemplos. Mas e antes ? Sim a França nos deu Georges Franju e Jean Rollin, mas outros também se destacam como o criador do genial e mega sangrento: BABY BLOOD, dirigido por : ALAIN ROBAK, em 1990. Creio que os fãs mais ardorosos e curiosos devem conhecer esse filme, mas tem muitos que sequer ouviram falar dele.         Obrigatório, absolutamente obrigatório esse filme surpreendente, de desdobramentos inacreditáveis.

A trama mostra o misterioso contágiu de uma mulher em um Circo, onde um misterioso animal, que nunca aparece, acaba por fecundar essa mulher, de maneira mais misteriosa ainda. Existe uma interessante introdução do filme que fala sobre a evolução da vida no planeta. Após esse início surreal, o horror se instaura de vez quando a futura mamãe recebe ordens do próprio feto, pedindo sangue humano. Como boa mão, ela acaba por ceder aos apelos do futuro filho e parte em uma jornada de caça para alimentar o filho. No início ela não aceita, sofre muito, mas aos poucos ela se trona uma devoradora de homens incautos, com mortes escabrosas e a atmosfera de horror e loucura cada vez mais crescente.

Chega uma hora em que se desiste de contar o número de vítimas. EMANUELLE ESCOURROU está excelente no papel da mãe desse misterioso bebê sangrento que proporciona cenas memoráveis, principalmente na parte final onde um massacre surge na tela de maneira desenfreada. Um filme B ao estilo francês, com muita personalidade, um roteiro super original e um final surpreendente. Vale a pena resgatar esse filme esquecido que já antecipa a explosão de talentos que a França nos mostraria anos mais tarde.

4 comentários:

Leopoldo Tauffenbach disse...

Jesus! Assisti esse filme ontem. É curioso notar que existe um lado menos famoso do cinema francês que também é capaz de surpreender e de se superar. E de fato o final é mesmo surpreendente. Para o bem ou para o mal...

M.Carrard disse...

Verdade Leopoldo. Fiquei curioso para ver a continuação, parece q tem dois filmes. Espero q mantenham o mistério sobre a criatura, a grande sacada desse primeiro filme.

A equipe disse...

Carrard,meu chapa, você só cometeu um erro: Martyrs não é francês e sim canadense. abs

M.Carrard disse...

Muito Obrigado pela correção. Já confundi diretores franco-canadenses com franceses propriamente ditos. Muito obrigado pela mensagem, volte sempre.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...